#Graduação
Agronomia

ACESSO RÁPIDO

SOBRE O CURSO

CORPO DOCENTE

MATRIZ CURRICULAR

ESTUDE NA UNEMAT

SIGAA

HORÁRIO DAS DISCIPLINAS

SOLICITAÇÕES

ARQUIVOS

PRÓXIMOS EVENTOS DO CURSO DE LETRAS

6º Seminário de Estágio de Letras de Tangará da Serra

15-08-2022 - 18:30 - 16-08-2022 - 22:30

PROJETOS  E REVISTA CIENTÍFICA DO CURSO DE LETRAS

PROJETOS DE ENSINO
PROJETOS DE PESQUISA
PROJETOS DE EXTENSÃO

PÓS-GRADUAÇÃO

Acervos e Laboratórios Literários

O CURSO DE LETRAS

O curso de Letras foi o primeiro curso que a Universidade do Estado de Mato Grosso ofertou, tendo sido criado em 1978, quando a UNEMAT era denominada Instituto de Ensino Superior de Cáceres (IESC). Em Tangará da Serra, foi, em princípio, um curso particular, criado em 1987. A partir de 1995, foi encampado pela UNEMAT, quando o câmpus foi criado, e passou a ser público e gratuito, tendo colocado no mercado de trabalho, até o ano de 2020, 45 turmas, totalizando 1134 licenciados. Oferece, semestralmente, 40 vagas, com ingresso no primeiro semestre, pelo SISU; e no segundo semestre, por vestibular próprio. As aulas acontecem no período noturno e o curso concentra carga horária de 3.200 horas, tendo a duração mínima de 8 semestres. Oferece habilitação em: “Língua portuguesa e respectivas literaturas e Língua inglesa”; e “Língua portuguesa e respectivas literaturas e Língua espanhola”.

Unemat Tangará da Serra

CONTATO

Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e da Linguagem (FACSAL)
Coordenação do Curso de Letras
Coordenadora: Profª. Bárbara Cristina Gallardo
Profissional Técnico: Rafael Diniz da Costa
Horário de atendimento: 13h30 às 17h30 e 19h às 23h
Avenida Inácio Bittencourt Cardoso, 6967 E, Jardim Aeroporto, Tangará da Serra – MT Caixa Postal 287 – CEP 78.300-970
Telefone: 65 3311-4941/ 3311-4942
Email: letras.tga@unemat.br
Página do Facebook: https://www.facebook.com/letras.tangara/

“A alegria não chega apenas no encontro do achado, mas faz parte do processo da busca. E ensinar e aprender não pode dar-se fora da procura, fora da boniteza e da alegria” (Paulo Freire).